Aquisição de serviços

Orçamento do Estado 2019 | a aquisição de serviços por empresas locais

A Lei nº 71/2018, de 31 de dezembro, aprovou o Orçamento do Estado para 2019. O artigo 63.º regula os contratos de aquisição de serviços no setor local e nas empresas locais.

Os valores gastos com contratos de aquisição de serviços celebrados, nos termos do Código dos Contratos Públicos, pelas empresas locais que, em 2019, venham a renovar-se ou celebrar-se com idêntico objeto ou contraparte de contrato vigente em 2018, não podem ultrapassar:

(i) Os valores dos gastos de 2018, considerando o valor total agregado dos contratos, sempre que a mesma contraparte preste mais do que um serviço ao mesmo adquirente; ou sempre que a mesma contraparte preste mais do que um serviço ao mesmo adquirente; ou

(ii) O preço unitário, caso o mesmo seja aritemeticamente determinável ou tenha servido de base ao cálculo dos gastos em 2018.

Ficam excluídos desta limitação, entre outros:

(i) A celebração ou a renovação de contratos de aquisição de serviços entre si por entidades adjudicantes (contratos in house  e contratos de cooperação).

(ii) A celebração ou a renovação de contratos de aquisição de serviços essenciais previstos no nº 2 do artigo 1.º da Lei nº 23/96, de 26 de julho;

(iii) A celebração de contratos de aquisição de serviços ao abrigo de acordos quadro;

(iv) A celebração de contratos de aquisição de serviços em que o procedimento de contratação tenha sido realizado ao abrigo de concurso público e cujos valores tenham sido estabelecidos através de portaria de extensão de encargos;

No nº 3 do aludido artigo 63.º estabelece-se, novamente, que «em situações prévia e devidamente fundamentadas pelos serviços competentes», pode ser autorizada a dispensa do cumprimento dos limites impostos e supra indicados, esclarecendo-se agora que a autorização para a dispensa cabe ao órgão com competência para contratar, que, nas empresas locais, é o seu Conselho de Administração.

Sublinhe-se que, ao contrário do que acontece para os contratos celebrados pela Administração Central e com o que se predispunha em 2017 também para o setor local, já em 2018 e agora de novo para 2019, as entidades integradas no setor local, como é o caso das empresas locais, não estão limitadas, na realização de encargos totais a pagar com contratos de aquisição de serviços, aos encargos totais pagos em 2018. Com efeito, para o setor local, o artigo 63.º da Lei nº 71/2018, de 31 de dezembro, não consagra dispositivo idêntico ao previsto para a Administração Central e consagrado no nº 1 do artigo 60.º do Orçamento do Estado para 2019.

(artigo 60.º, nº 1 | Os encargos globais pagos com contratos de aquisição de serviços, com exceção dos contratos cofinanciados (…)  não podem ultrapassar os encargos globais pagos em 2018)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s