Adjudicação

A justificação cabal do incumprimento do dever

O artigo 76.º, n.º 1 do Código dos Contratos Públicos não só estabelece o dever de adjudicação, como também prevê os termos em que a decisão deve ser tomada, bem como as consequências do seu incumprimento.

De facto, salvo a ocorrência de circunstâncias que determinam a não adjudicação – previstas nas várias alíneas do n.º 1 artigo 79.º – a entidade adjudicante tem o dever legal de adotar a decisão final do procedimento pré-contratual num determinado prazo, a que se associa o correspondente deve de manutenção das propostas pelos concorrentes.

Estes são alguns dos fundamentos para a não adjudicação enunciados no aludido normativo legal:

Nessa medida, como sublinha a jurisprudência, «apenas é de conceber um dever de não adjudicação no caso da verificação de um dos fundamentos legais, situação em que não só o princípio da legalidade, como o princípio da competência, previstos nos artigos 266.º, n.º 2 da Constituição da República Portuguesa e 3.º do Código do Procedimento Administrativo, o impõe, como finalidade do procedimento pré-contratual o deve ditar, isto é, numa lógica de correta prossecução do interesse público, fora do domínio da autonomia da vontade».

Acórdão do Tribunal Central Administrativo do Sul, processo n.º 2083/20.8BELSB, http://www.dgsi.pt.

Não existe, portanto, um poder discricionário em torno da decisão de adjudicação. A entidade adjudicante não dispõe de liberdade de adjudicar ou não adjudicar. Entende-se existir, nessa medida, uma decisão vinculada de adjudicar, salvo, como se disse, verificando-se um dos eventos típicos, previstos na lei de forma expressa, que legitimam – ou até impõe – a não adjudicação.

Com a produção da decisão de contratar, a entidade adjudicante vincula-se a levar o procedimento até ao fim, com a tomada de decisão que lhe ponha termo, a qual, salvo alteração das circunstâncias, será a da adjudicação.

Porém,

Mesmo estando preenchida a previsão legal para a não adjudicação, por estarem verificadas as circunstâncias habilitadoras para que tal decisão possa ser proferida pela entidade adjudicante, não deixa a decisão de não adjudicação de estar sujeita ao princípio da legalidade, podendo ter os respetivos pressupostos de facto e de Direito escrutinados pelo poder judicial.

A decisão de não adjudicação, como ato administrativo que é, está sujeito ao dever de fundamentação, na dupla perspetiva que a doutrina tem sublinhando:

Ou seja, porque está em causa uma exceção ao dever de adjudicar, a sua convocação tem de ser devidamente fundamentada do ponto de vista material, pois está em causa saber se se verificam as circunstâncias invocadas pela entidade adjudicante que possibilitam não adjudicar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s